PUBLICIDADE

Banner

Cá Entre Nós - Rubens Caribé

Rubens Caribé capa.jpg

(Foto: Maira Dvorek)


 
Rubens Caribé estreou nos palcos no ano de 1987 no musical 'Hair', dirigido por Antônio Abujamra, e desde então, tem  alternado a sua carreira entre o teatro, o cinema e a TV. 
No teatro, trabalhou com os diretores Cacá Rosset, Ulysses Cruz, Ron Daniels e Felipe Hirsch, entre outros. De seus últimos trabalhos, destacam-se: 'Histeria', dirigido por Jô Soares; 'A Megera Domada' e 'Sonho de Uma Noite de Verão', ambos com direção de Cacá Rosset, 'Berro', dirigido por Eduardo Tolentino de Araújo, 'O Fantástico Reparador de Feridas', com direção de Domingos Nunez, 'Assim É (Se Lhe Parece)' e 'Consertando Frank', direção de Marco Antônio Pâmio, 'A Reação', direção de Clara Carvalho e 'Fim de Partida', com direção assinada por Eric Lenate. 
Este ano Rubens esteve em cartaz com a peça 'Hollywood', dirigido por Gustavo Paso e Ricardo III ou 'Cenas da Vida de Meierhold', dirigido por Clara Carvalho.
Entre os Musicais que atuou estão: 'Cabaret', direção de Jorge Takla, 'Aparecida – um musical', dirigido po Fernanda Chamma, 'Mãe Coragem e Seus Filhos', direção de Sergio Ferrara, 'Alô, Alô, Terezinha', dirigido por Hugo Possolo, 'Cabaret Luxúria', com direção de Helen Hélène e 'Ornitorrinco Canta Brecht', dirigido por Cacá Rosset. 
Ressaltam-se, ainda, os espetáculos de teatro-dança 'UManoel e Gestos', montagem da Cia. Mariana Muniz e o espetáculo 'Corpo Vivo', que teve direção assinada por Ivaldo Bertazzo, espetáculo em que atuou, cantou e dançou.
Na TV, atuou em várias novelas, minisséries e especiais, destacando-se 'Anos Rebeldes' e 'Fera Ferida', ambas na Rede Globo, 'Sangue do Meu Sangue', 'Os Ossos do Barão' e 'Uma Rosa Com Amor', no SBT, além de 'Cidadão Brasileiro', exibida pela Record TV. 
Recentemente Caribé protagonizou no cinema os longas-metragens 'SP: Crônicas de uma Cidade Real', dirigido por Elder Fraga, 'Cano Serrado', com direção de Erik de Castro, e ainda participou da série 'Cidades Invisíveis', produzido por Carlos Saldanha, que está previsto para ser lançado na Netflix ainda este ano de 2020.
No ano de 2014, Rubens Caribé foi contemplado com o Prêmio Shell de melhor ator, além de ter sido indicado também pela APCA-SP e pelo Prêmio Aplauso Brasil, graças à sua interpretação na peça 'Assim É (Se Lhe Parece)'. 
Recentemente recebeu o prêmio de melhor ator pela atuação no longa-metragem 'SP: Crônicas De Uma Cidade Real', na Mostra Offcine 2019 de Cinema Independente de Varginha, em Minas Gerais. 
Também já havia recebido o Prêmio de Melhor Ator - APETESP por 'O Melhor do Homem', em 1995. Foi indicado aos Prêmios APETESP - Melhor ator coadjuvante por 'Hamlet', no ano de 1997 e o Shell/RJ na categoria também de melhor ator, pela atuação no espetáculo 'Rei Lear'.
Em bate-papo com o BACANUDO.COM, Rubens Caribé revelou algumas das suas preferências. Confira!
 
*Meu livro - "Sagarana", 'Guimarães Rosa'.
*Meu filme - "A Festa de Babette", dirigido por Gabriel Axel.
*Minha música - "Bach".
*Minha cidade - São Paulo.
*Minha cara - Ficar em casa.
*Minha bebida - Café.
*Minha comida - Carne.
*Minha estação do ano - O outono.
*Meu paraíso - O Teatro.
*Minha fraqueza - Mousse de maracujá.
*Meu pecado - Não digo.
*Meu vício - Fumar.
*Meu medo - Do fim.
*Minha flor - Lírio.
*Meu esporte - Dança.
*Meu lazer - Jantar fora.
*Minha etiqueta - Fio dental, obrigatório.
*Meu cheiro - Da colônia Pitanga (Natura).
*Meu ídolo - 'Elis Regina'.
*Meu sonho - Uma casa no campo.
*Minha inspiração - 'Maria Alice Vergueiro' (in memorian).
*Meu arrependimento - Nenhum.
*Meu compositor - 'Chico Buarque'.
*Meu restaurante - 'Ráscal', em São Paulo.
*Minha paisagem - Que a vista alcance longe.
*Minha indiferença - É um defeito.
*Meu exagero - Eu controlo.
*Minha impaciência - Não me ajuda.
*Meu lugar no mundo - Na minha casa.
*Meu lugar na casa - A mesa da minha sala, com meus livros, o jornal, o noticiário ligado em volume baixo.